ACESSE GRATUITAMENTE + DE 450.000 QUESTÕES DE CONCURSOS!

Informações da Prova Questões por Disciplina Downloads Secretaria Municipal de Fazenda - Rio de Janeiro - Fiscal de Rendas - ESAF - 2010 - Prova Objetiva - P1 - Conhecimentos Gerais

Dicionário Parlamentar e Político

 

        O conceito de justiça social evolve de outros 

        princípios, segundo os quais a distribuição, 

        entre todos os membros da sociedade, dos 

        bens materiais, culturais, espirituais, etc., nela 

5      contidos, ou por ela produzidos, deveria fazer-se 

        segundo as três premissas seguintes:

        - a distribuição entre todos, de parte substancial 

        dos bens econômicos produzidos pela sociedade, 

        deveria ser tão igual e equitativa quanto 

10    humanamente factível;

        - a outra parte deveria permanecer com as 

        pessoas como retribuição ao seu talento, esforço 

        e mérito e à quantidade e qualidade da sua 

        contribuição pessoal para a geração dos bens e/

15    ou da riqueza nacional;

        - competiria ao Estado defi nir a quantidade, 

        a ocasião e a forma com que cada pessoa 

        contribuirá para tornar acessível a todos uma 

        parte do que ganha, produz ou possui.

(Said Farhat, Justiça Social. Dicionário Parlamentar e Político 

http://www.politicaecidadania.com.br/site/dicionario_main.asp?strVerbete. 

Acesso em 3/6/2010, com adaptações).

 

1 -

Considerando a continuidade do parágrafo, julgue as possibilidades de outra redação para os itens que constituem a enumeração das “três premissas” (l.6), em destaque no texto.

I. primeiramente, a distribuição entre todos, de parte substancial dos bens econômicos produzidos pela sociedade, deveria ser tão igual e equitativa quanto humanamente factível; em segundo lugar, a outra parte deveria permanecer com as pessoas como retribuição ao seu talento, esforço e mérito e à quantidade e qualidade da sua contribuição pessoal para a geração dos bens e/ou da riqueza nacional; competiria, por fim, ao Estado definir a quantidade, a ocasião e a forma com que cada pessoa contribuirá para tornar acessível a todos uma parte do que ganha, produz ou possui.

II. a distribuição entre todos, de parte substancial dos bens econômicos produzidos pela sociedade, deveria ser tão igual e equitativa quanto humanamente factível, seria a primeira, a outra parte deveria permanecer com as pessoas como retribuição ao seu talento, esforço e mérito e à quantidade e qualidade da sua contribuição pessoal para a geração dos bens e/ou da riqueza nacional. E competiria ao Estado definir a quantidade, a ocasião e a forma que cada pessoa contribuirá para tornar acessível a todos uma parte do que ganha, produz ou possui, seria a terceira.

III. as duas primeiras seriam: a distribuição entre todos, de parte substancial dos bens econômicos produzidos pela sociedade, deveria ser tão igual e equitativa quanto humanamente factível; e a outra parte deveria permanecer com as pessoas como retribuição ao seu talento, esforço e mérito e à quantidade e qualidade da sua contribuição pessoal para a geração dos bens e/ou da riqueza nacional. Como terceira competiria ao Estado definir a quantidade, a ocasião e a forma com que cada pessoa contribuirá para tornar acessível a todos uma parte do que ganha, produz ou possui.

Estão respeitadas a coerência entre os argumentos e a correção gramatical apenas em:

a)

II

b)

I

c)

III

d)

I e II

e)

I e III

2 -

Assinale a opção em que o trecho constitui continuação gramaticalmente correta, coesa e coerente para o segmento.

Levantamento da Fundação Dom Cabral mostrou que em 2/3 das 76 maiores companhias do País há falta de pessoal qualificado que elas não conseguem encontrar no mercado. Há vagas abertas para engenheiros, eletricistas, carpinteiros, técnicos em operação e manutenção, secretárias, profissionais de Tecnologia da Informação, finanças, vendas e até motoristas, em todo o País. Mas, dadas as deficiências educacionais, muitas vagas não podem ser preenchidas.

(O Estado de S. Paulo, Editorial, 29/5/2010)

a)

Porquanto a Vale abriu um curso de pósgraduação para engenheiros nas áreas de pelotização, ferrovias, portos e mineração, concedendo bolsa integral e pagando R$ 3 mil por mês para alunos que serão contratados após o término das aulas.

b)

No entanto, o professor responsável pelo levantamento considera a escassez de trabalhadores qualificados uma restrição de gravidade comparável à da falta de infraestrutura, e também impede maior crescimento da economia.

c)

Conquanto, a demanda interna, aliada a essa crise econômica internacional, está atraindo de volta parte dos 3,3 milhões de brasileiros que emigraram, sobretudo para a América do Norte, Europa e Japão. Mais de 400 mil pessoas estão voltando para trabalhar no Brasil.

d)

Embora a escassez de trabalhadores preparados decorre, em geral, dessa baixa qualidade da educação pública e privada, em todos os níveis, e à pouca preocupação de grande parte das universidades em formar pessoal para atender à demanda do mercado de trabalho. Nos últimos dez anos, crescemos abruptamente, mas ao mesmo tempo não demos valor à formação escolar.

e)

Assim, pelos números do Cadastro Nacional de Empregados e Desempregados (Caged), calcula-se que mais de 2 milhões de empregos formais serão abertos neste ano, mas a maioria dos contratados terá baixa qualificação e baixos salários.

A Felicidade e a Constituição

 

        Na teoria clássica, a  finalidade do Estado 

        é promover o bem comum da sociedade, 

        considerado como o conjunto de condições que 

        permite aos indivíduos atingirem o seu bem 

5      particular. Se o Estado propicia segurança, 

        educação, saúde, trabalho, previdência, moradia 

        e transporte, o indivíduo tem as condições 

        mínimas para atingir a felicidade, a que todos 

        os homens tendem. No entanto, é preciso 

10    fazer a distinção entre  fins e meios. O bem 

        comum é a  finalidade e os direitos sociais, os 

        meios para promovê-lo. Nesse diapasão, não 

        se pode colocar a felicidade como direito a ser 

        garantido pelo Estado. O que é dever do Estado 

15    é assegurar os meios para que cada um possa 

        chegar à felicidade.

(Ives Gandra Martins Filho, A felicidade e a constituição. Correio Braziliense, 

8 de junho, 2010, com adaptações)

 

3 -

Constitui uma continuidade gramaticalmente correta e coerente com a argumentação do texto o seguinte parágrafo: 

a)

Portanto, como a felicidade, na visão aristotélica, por estar ligada à excelência moral, à vivência moral, concretamente apenas ao direito, o bem estar social é possível de normatização em forma de lei.

b)

Em suma, o que se pode falar, com propriedade, é no direito ao bem estar social, como condição para a consecução da felicidade pessoal, já que a felicidade, a rigor só atingiria-se indiretamente.

c)

Assim, poderia falar-se apenas em direito do bem estar social; já que a felicidade depende de excelência moral e de vivência moral, que são condições pessoais só possível de serem atingidas indiretamente.

d)

En?m, poderia-se apenas falar, com propriedade, no direito ao bem estar social como condição para a realização da felicidade pessoal, pois a rigor, a felicidade só é indiretamente alcançada.

e)

Desse modo, segundo Aristóteles é na vivência moral que se encontram os meios que o bem estar social fornecem para a plena realização da vivência humana constituindo a felicidade.

4 -

Provoca-se erro gramatical e incoerência textual ao fazer a seguinte substituição no texto: 

a)

“permite”(L.4) por permitem.

b)

“atingirem”(L.4) por atingir.

c)

a vírgula depois de “sociais”(L.11) por são.

d)

“a que”(L.8) por a qual.

e)

“promovê-lo”(L.12) por o promover.

Celso Ming

        A  Eurostat, o organismo da União Europeia 

        encarregado da elaboração de estatísticas 

        econômicas, mostrou que, em abril, nada menos 

        que 101 entre cada 1.000 cidadãos em atividade 

5      na área do euro (16 países) não conseguiram 

        encontrar ocupação remunerada. É a pior situação 

        em 12 anos. 

        Reduzir tudo a efeito natural da atual crise é 

        simplismo. Flagelos assim são como os desastres 

10    de avião: sempre têm múltiplas causas. O crescente 

        desemprego no mundo rico foi acentuado pela 

        crise, mas é bem mais do que isso. É o resultado 

        de algumas degradações acumuladas nas 

        últimas décadas: perda de competitividade da 

15    indústria, rápido envelhecimento da população, 

        custo elevado da mão de obra, falta de reformas 

        políticas e econômicas.

        Paradoxalmente, a crise do desemprego tende 

        a se acentuar pelos fatores que pretendiam 

20    atenuar seu impacto. Assim como a antecipação 

        da aposentadoria pretendia abrir vagas aos mais 

        jovens, mas tudo o que produziu foi a deterioração 

        das  finanças dos sistemas previdenciários, os 

        mecanismos de seguro social vêm ajudando a 

25    criar enormes rombos, que, por sua vez, atiram as 

        finanças públicas ao endividamento e à insolvência 

        (e não apenas à falta de liquidez), como parece 

        ser o caso da Grécia e talvez o de Portugal e 

        Espanha. E aí chegamos a uma situação em que 

30    os instrumentos de defesa do emprego criam mais 

        desemprego.

(Celso Ming, O Estado de S. Paulo, 2/6/2010)

5 -

Em relação às ideias do texto, assinale a opção correta

a)

Há 12 anos, a situação na União Europeia apresentava desemprego muito maior que as taxas atuais.

b)

A crise econômica atual começou a provocar o desemprego na área do euro.

c)

O rápido envelhecimento da população contribui para diminuir as taxas de desemprego na União Europeia.

d)

A antecipação da aposentadoria e a abertura de vagas para os mais jovens fortaleceram os sistemas previdenciários.

e)

Medidas que pretendiam atenuar o impacto da crise do desemprego resultaram em mais desemprego.

6 -

Em relação às estruturas do texto, assinale a opção correta

(Questão anulada)
a)

O emprego de vírgulas após “Eurostat”(L.1) e após “econômicas”(L.3) justifica-se por isolar expressão que tem função de vocativo.

b)

O termo “como”(L.9) indica que “desastres de avião” se dão por causa de “flagelos”.

c)

Mantém-se a correção gramatical do período ao se substituir “se acentuar”(L.19) por ser acentuada.

d)

O emprego de vírgulas após ”indústria”(L.15), “população”(L.15) e “obra”(L.16) justifica-se por isolar elementos de mesma função sintática componentes de uma enumeração de itens.

e)

O emprego de sinal indicativo de crase em “à insolvência”(L.26) justifica-se pelas relações de regência com “endividamento”.

A Busca da Cidadania Fiscal no Desenvolvimento Econômico

 

        Durante muito tempo, a tributação foi vista apenas 

        como um instrumento de receita do Estado. 

        Apesar desta missão ser, por si só, relevante, na 

        medida em que garante os recursos  financeiros 

5      para que o Poder Público bem exerça seu mister, 

        a verdade é que, pouco a pouco, descobriu-se 

        outra faceta não menos importante na tributação. 

        Atualmente, com a predominância do modelo do 

        Estado Social, a despeito dos fortes movimentos 

10    no sentido do ressurgimento do liberalismo, não 

        se pode abrir mão do uso dos tributos como 

        eficazes instrumentos de política e de atuação 

        estatal, nas mais diversas áreas, sobretudo na 

        social e na econômica. Deve ser ressaltado que  a 

15    política tributária, embora consista em instrumento 

        de arrecadação tributária, necessariamente 

        não precisa resultar em imposição. O governo 

        pode fazer política tributária utilizando-se de 

        mecanismos fiscais através de incentivos fiscais, 

20    de isenções, entre outros mecanismos que devem 

        ser considerados com o objetivo de conter o 

        aumento da arrecadação de tributos.

(Maria de Fátima Ribeiro & Natália Paludetto Gesteiro, A busca da 

cidadania fiscal no desenvolvimento econômico: função social do 

tributo. http://www.diritto.it/archivio - acesso em 3/6/2010, com 

adaptações)

 

7 -

Preservam-se a coerência textual e a correção gramatical ao substituir: 

a)

“exerça” (L.5) por exercesse.

b)

“desta”(L.3) por de esta.

c)

“se pode” (L.11) por pode-se.

d)

“ser ressaltado”(L.14) por ser ressaltada.

e)

“em instrumento”(L.15) por de instrumento.

8 -

Assinale a expressão do texto que, no desenvolvimento da argumentação, é usada com valor de causa: 

a)

“como um instrumento de receita do Estado”(L.2).

b)

“como eficazes instrumentos de política”(L.11 e 12).

c)

“com a predominância do modelo do Estado Social”(L.8 e 9).

d)

“utilizando-se de mecanismos fiscais”(L.18 e 19).

e)

“com o objetivo de conter o aumento da arrecadação”(L.21 e 22).

9 -

Assinale a opção que interpreta corretamente o uso das estruturas linguísticas no texto:

       

        Consiste a justiça social no justo equilíbrio entre 

        dois princípios: a liberdade política, no mais alto 

        grau possível, e a igualdade nas oportunidades 

        abertas a todos, para que cada um realize seu 

5      potencial, nos campos do trabalho, da economia, 

        da educação, da saúde e da segurança social. 

        A razão de tal equilíbrio deve ser buscada tanto 

        no direito natural quanto em considerações 

        éticas. Completa-se o sentido da justiça social 

10    na verificação empírica das possibilidades reais, 

        oferecidas pela sociedade, de cada pessoa 

        atingir os parâmetros desejados de bem estar, 

        segurança e prosperidade – preservados, em toda 

        a extensão, seus direitos e liberdade.

(Said Farhat, Justiça Social. Dicionário Parlamentar e Político

http://www.politicaecidadania.com.br/site/dicionario_main.asp?strVerbete. 

Acesso em 3/6/2010, com adaptações)

a)

O uso das vírgulas depois de “política”(L.2) e de “possível”(L.3) desempenha função semelhante à das vírgulas depois de “trabalho”(L.5), “economia”(L.5) e “bem estar”(L.12), que é a de separar termos de enumeração.

b)

A ?exão de feminino plural em “abertas”(L.4) tanto possibilita a concordância com “oportunidades” (L.3), quanto com o sujeito composto por “liberdade”(L.2) e “igualdade”(L.3); mas o desenvolvimento do texto mostra que a coerência depende da concordância com o sujeito composto.

c)

Na linha 4, o uso do modo subjuntivo em “realize” indica que se trata apenas de possibilidade de realização; para se enfatizar a ideia de certeza, o texto estaria gramaticalmente correto se o verbo fosse empregado no modo indicativo: realiza.

d)

A ?exão de plural em “preservados”(L.13) deve-se à concordância com “parâmetros”(L.12), enfatizados com o uso do travessão.

e)

A repetição da preposição de antes de “economia” (L.5), “educação”(L.6) “saúde”(L.6) e “segurança”(L.6) indica que esses são termos que complementam “nos campos”(L.5); e, por essa razão, também o uso do singular, no campo, manteria o texto coeso e gramaticalmente correto.

10 -

Assinale como verdadeiras (V) ou falsas (F) as afirmações a respeito da organização do texto:

 

        O ocidente europeu no período medievo foi um 

        mundo onde o poder estava dividido e sempre 

        instável, sendo exercido de forma independente 

        pelos chamados senhores feudais, geralmente 

5      possuidores de grandes extensões de terras. 

        As relações entre vassalo (aquele que prestava 

        homenagem) e suserano (aquele que recebia a 

        homenagem) envolviam a cessão de direito, por 

        parte do suserano, de uma geração de ganho 

10    para o vassalo em troca de alianças que visavam 

        a uma consolidação do poder, sempre ameaçado 

        por outros senhores. O objeto de onde provinha 

        essa geração de ganho era chamado “feudo”. 

        Erroneamente identificado como sendo somente 

15    uma porção de terra, na verdade o feudo podia 

        assumir vários aspectos, como, por exemplo, 

uma ponte ou uma estrada onde se cobrava 

pedágio.

(Leituras da História, n.31, p.30, com adaptações)

(  ) Desrespeitam-se as relações entre os argumentos e provoca-se erro gramatical ao substituir “onde”(L.2) por em que.

(  ) Explicita-se a relação entre as ideias do texto ao iniciar o segundo período sintático do texto por um conectivo, escrevendo: Conquanto as relações.

(  ) Explicita-se a relação entre as ideias do texto ao inserir, entre vírgulas, o conectivo no entanto depois de “identificado”(L.14).

(  ) Desrespeitam-se as relações entre os argumentos e provoca-se erro gramatical ao substituir “onde”(L.17) por a qual.

A sequência obtida é: 

a)

F, F, V, V

b)

V, F, F, V

c)

F, V, V, F

d)

F, F, V, F

e)

V, V, F, V

« anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 próxima »

Marcadores

Marcador Verde Favorita
Marcador Azul Dúvida
Marcador Amarelo Acompanhar
Marcador Vermelho Polêmica
Marcador Laranja  Adicionar

Meus Marcadores

Fechar



⇑ TOPO

 

 

 

Salvar Texto Selecionado


CONECTE-SE

Facebook
Twitter
E-mail

 



 

Copyright © Tecnolegis - 2010 - 2020 - Todos os direitos reservados.