ACESSE GRATUITAMENTE + DE 450.000 QUESTÕES DE CONCURSOS!

Informações da Prova Questões por Disciplina Downloads Câmara dos Deputados - Analista Legislativo - Área XI - Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional - Consultor Legislativo - CESPE - UnB - 2014 - Prova Objetiva

O antropólogo contra o Estado

	1 		Pedi ao antropólogo Eduardo Viveiros de Castro que
		falasse sobre a ideia que o projetou. A síntese da metafísica dos
		povos “exóticos” surgiu em 1996 e ganhou o nome de
	4 	“perspectivismo ameríndio”.
			Fazia já alguns anos, então, que o antropólogo se
		ocupava de um traço específico do pensamento indígena nas
	7 	Américas. Em contraste com a ênfase dada pelas sociedades
		industriais à produção de objetos, vigora entre esses povos a
		lógica da predação. O pensamento ameríndio dá muita
	10 	importância às relações entre caça e caçador — que têm, para
		eles, um valor comparável ao que conferimos ao trabalho e à
		fabricação de bens de consumo. Diferentes espécies animais
	13 	são pensadas com base na posição que ocupam nessa relação.
		Gente, por exemplo, é, ao mesmo tempo, presa de onça e
		predadora de porcos.
	16 		Pesquisas realizadas por duas alunas de Viveiros de
		Castro, na mesma época, com diferentes grupos indígenas da
		Amazônia, chamavam a atenção para outra característica
	19 	curiosa de seu pensamento: de acordo com os interlocutores de
		ambas, os animais podiam assumir a perspectiva humana. Um
		levantamento realizado então indicava a existência de ideias
	22 	semelhantes em outros grupos espalhados pelas Américas, do
		Alasca à Patagônia. Segundo diferentes etnias, os porcos, por
		exemplo, se viam uns aos outros como gente. E enxergavam os
	25 	humanos, seus predadores, como onça. As onças, por sua vez,
		viam a si mesmas e às outras onças como gente. Para elas,
		contudo, os índios eram tapires ou pecaris — eram presa.
	28 		Ser gente parecia uma questão de ponto de vista.
		Gente é quem ocupa a posição de sujeito. No mundo
		amazônico, escreveu o antropólogo, “há mais pessoas no céu
	31 	e na terra do que sonham nossas antropologias”.
		Ao se verem como gente, os animais adotam também
		todas as características culturais humanas. Da perspectiva de
	34 	um urubu, os vermes da carne podre que ele come são peixes
		grelhados, comida de gente. O sangue que a onça bebe é, para
		ela, cauim, porque é cauim o que se bebe com tanto gosto.
	37 	Urubus entre urubus também têm relações sociais humanas,
		com ritos, festas e regras de casamento.
			Tudo se passa, conforme Viveiros de Castro, como se
	40 	os índios pensassem o mundo de maneira inversa à nossa, se
		consideradas as noções de “natureza” e de “cultura”. Para nós,
		o que é dado, o universal, é a natureza, igual para todos os
	43 	povos do planeta. O que é construído é a cultura, que varia de
		uma sociedade para outra. Para os povos ameríndios, ao
		contrário, o dado universal é a cultura, uma única cultura, que
	46 	é sempre a mesma para todo sujeito. Ser gente, para seres
		humanos, animais e espíritos, é viver segundo as regras de
		casamento do grupo, comer peixe, beber cauim, temer onça,
	49 	caçar porco.
			Mas se a cultura é igual para todos, algo precisa
		mudar. E o que muda, o que é construído, dependendo do
	52 	observador, é a natureza. Para o urubu, os vermes no corpo em
		decomposição são peixe assado. Para nós, são vermes. Não há
		uma terceira posição, superior e fundadora das outras duas. Ao
	55 	passarmos de um observador a outro, para que a cultura
		permaneça a mesma, toda a natureza em volta precisa mudar.
	
				Rafael Cariello. O antropólogo contra o Estado.
				In: Revista piauí, n.º 88, jan./2014 (com adaptações).
1 -

Em relação ao texto acima, julgue o(s) item(ns) seguinte(s).

Narrado em primeira pessoa e tratando de tema científico, o texto classifica-se como artigo científico, ainda que tenha sido publicado em periódico não especializado.

Certa.
Errada.
2 -

Em relação ao texto acima, julgue o(s) item(ns) seguinte(s).

As formas verbais “surgiu” e “ganhou”, ambas na linha 3, poderiam, sem prejuízo dos sentidos do texto, ser substituídas por surgira e ganhara, respectivamente, pois indicam ações anteriores àquelas referidas no primeiro período do texto.

Certa.
Errada.
3 -

Em relação ao texto acima, julgue o(s) item(ns) seguinte(s).

Em suas duas ocorrências no texto, nas linhas 41 e 53, o pronome pessoal “nós” tem como referente o mesmo conjunto de indivíduos.

Certa.
Errada.
4 -

Em relação ao texto acima, julgue o(s) item(ns) seguinte(s).

O “traço específico do pensamento indígena nas Américas” (L.6-7) a que se refere o autor do texto consiste na recusa dos indígenas em se submeterem à lógica de produção da sociedade capitalista.

Certa.
Errada.
5 -

Em relação ao texto acima, julgue o(s) item(ns) seguinte(s).

As ideias expressas nas frases “Ser gente parecia uma questão de ponto de vista” (L.28) e “Gente é quem ocupa a posição de sujeito” (L.29) constituem aspectos importantes daquilo que o texto apresenta como ‘perspectivismo ameríndio’ (L.4).

Certa.
Errada.
6 -

Em relação ao texto acima, julgue o(s) item(ns) seguinte(s).

Depreende-se do texto que, segundo o pensamento predominante entre os indígenas das Américas, animais de determinada espécie reproduzem, nas relações entre si e com outras espécies, características da cultura humana, na qual sobressai a lógica da predação.

(Questão anulada)
Certa.
Errada.

O Brasil monárquico: Do Império à República

	1 		As tendências que levaram D. Pedro II a querer
		dissimular o imenso poderio de que efetivamente dispunha e,
		é bom dizê-lo, que não lhe é regateado pela Constituição,
	4 	faziam que fosse buscar, para ministros, aqueles que pareciam
		mais dóceis à sua vontade, ou que esperava poder submeter
		algum dia às decisões firmes, ainda que tácitas, da Coroa. Se
	7 	não se recusa, conforme as circunstâncias, a pôr em uso
		algumas regras do parlamentarismo, jamais concordará em
		aceitar as que lhe retirariam a faculdade de nomear e demitir
	10 	livremente os ministros de Estado para confiá-la a uma
		eventual maioria parlamentar. E se afeta ceder nesse ponto, é
		que há coincidência entre sua vontade e a da maioria, ao menos
	13 	no que diz respeito à nomeação. Ou então é porque não tem
		objeções sérias contra o chefe majoritário. Quando nenhum
		desses casos se oferece, discricionariamente exerce a escolha,
	16 	e sabe que pode exercê-la, porque se estriba no art. 101, n.º 6,
		da Constituição do Império.

				Sérgio Buarque de Hollanda. O Brasil monárquico. Do Império à
				República. In: coleção História geral da civilização brasileira. São Paulo:
				Difusão Europeia do Livro, 1972, tomo II, vol. 5. p. 21 (com adaptações).
7 -

Julgue o item a seguir, referente aos sentidos e aos aspectos linguísticos do texto acima.

Conforme o texto, D. Pedro II procurava atuar de forma a evitar que ficasse patente o exercício discricionário de seu poder.

Certa.
Errada.
8 -

Julgue o item a seguir, referente aos sentidos e aos aspectos linguísticos do texto acima.

O termo “nesse ponto” (l.11) remete ao seguinte trecho do período precedente: “pôr em uso algumas regras do parlamentarismo” (l.7-8).

Certa.
Errada.
9 -

Julgue o item a seguir, referente aos sentidos e aos aspectos linguísticos do texto acima.

Depreende-se do texto que o “art. 101, n.º 6, da Constituição do Império” (l.16-17) tornou-se letra morta em decorrência da prática política adotada por D. Pedro II.

Certa.
Errada.
10 -

Julgue o item a seguir, referente aos sentidos e aos aspectos linguísticos do texto acima.

De acordo com o texto, D. Pedro II concentrava, na prática, mais poder do que a Constituição do Império lhe outorgava.

Certa.
Errada.

« anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 próxima »

Marcadores

Marcador Verde Favorita
Marcador Azul Dúvida
Marcador Amarelo Acompanhar
Marcador Vermelho Polêmica
Marcador Laranja  Adicionar

Meus Marcadores

Fechar
⇑ TOPO
Salvar Texto Selecionado

CONECTE-SE

Facebook
Twitter
E-mail

Copyright © Tecnolegis - 2010 - 2019 - Todos os direitos reservados.