ACESSE GRATUITAMENTE + DE 290.000 QUESTÕES DE CONCURSOS!

Informações da Prova Questões por Disciplina Downloads Tribunal de Justiça - Alagoas - Analista Judiciário - Administrativa - CESPE - UnB - 2012 - Prova Objetiva

A transfiguração do lugar-comum: uma filosofia da arte

1    É fato reconhecido que a semelhança ou mesmo a
   similitude perfeita entre pares de coisas não faz de uma a
   imitação da outra. As imitações contrastam com a realidade,
4  mas não posso usar na análise da imitação um dos termos que
   pretendo esclarecer. Dizer “isto não é real” certamente
   contribui para o prazer das pessoas com as representações
7  imitativas, de acordo com um admirável estudo de psicologia
   escrito por Aristóteles. “A visão de determinadas coisas nos
   causa angústia”, escreve Aristóteles na Poética, “mas
10 apreciamos olhar suas imitações mais perfeitas, sejam as
   formas de animais que desprezamos muito, sejam cadáveres”.
     Esse tipo de prazer pressupõe o conhecimento de que seu
13 objeto é uma imitação, ou, correlativamente, o conhecimento
   de que não é real. Há, portanto, uma dimensão cognitiva nessa
   forma de prazer, assim como em muitos outros prazeres,
16 inclusive os mais intensos.
     Suponho que o prazer de comer determinadas coisas
   pressupõe algumas crenças, como a de que elas são realmente
19 o que pensamos estar comendo, mas a comida pode se tornar
   um punhado de cinzas quando se descobre que isso não é
   verdade — que é carne de porco, para um judeu ortodoxo, ou
22 carne de vaca, para um hindu praticante, ou carne humana, para
   a maioria de nós (por mais que o sabor nos agrade). Não é
   preciso sentir a diferença para haver uma diferença, pois o
25 prazer de comer é geralmente mais complexo, pelo menos entre
   os seres humanos, do que o prazer de sentir o gosto. Saber que
   algo é diferente pode fazer diferença para o gosto que
28 sentimos. Se não o fizer, é que a diferença de gostos talvez não
   seja uma coisa que preocupe o bastante para que as respectivas
   crenças sejam um requisito do prazer.

Arthur C. Danto. A transfiguração do lugar-comum: uma filosofia da arte. Trad. Vera Pereira. São Paulo: Cosac Naify, 2005, p. 49-50 (com adaptações).

1 -

Em relação aos aspectos interpretativos do texto apresentado, assinale a opção correta.

a)

No texto, defende-se a ideia de que as imitações opõem-se à realidade e, certamente por isso, o ser humano as aprecia, porque detém o conhecimento de que não são reais.

b)

O autor afirma que a diferença é fundamental para se determinar o prazer que sentimos ao comer algo.

c)

Para o autor, saber que algo é diferente faz diferença para o gosto que sentimos, razão pela qual as crenças que cada indivíduo tem sobre as coisas determinam a forma de sentir prazer.

d)

No texto, o autor defende a igualdade entre as coisas presentes no mundo.

e)

O autor defende que o prazer que o ser humano sente pelas coisas da vida é uma imitação.

2 -

Assinale a opção correta a respeito das estruturas linguísticas do texto.

a)

A coerência do quarto período do primeiro parágrafo do texto seria prejudicada caso o trecho "“escreve Aristóteles na Poética"” (L.9) fosse deslocado para o final do período, mesmo com os devidos ajustes na pontuação.

b)

A supressão da preposição “"de"”, em “"o conhecimento de que"”, (L.13-14), manteria a correção gramatical e o sentido original do período.

c)

Na linha 2, a substituição da expressão "“similitude perfeita"” por igualdade não prejudicaria os sentidos originais do texto.

d)

Seriam mantidos a correção gramatical e o sentido original do texto caso o termo semelhança fosse introduzido imediatamente após “"uma"” (L.2).

e)

O vocábulo "“mas"” (L.4) poderia ser corretamente substituído por visto que, pois ambos introduzem oração de caráter contrastivo.

3 -

No que se refere aos aspectos gramaticais do texto, assinale a opção correta.

a)

O último período do primeiro parágrafo do texto poderia ser corretamente reescrito da seguinte forma: Assim como em outros muitos prazeres inclusive os mais intensos, logo há uma dimensão cognitiva nessa forma de prazer.

b)

A introdução de vírgula imediatamente antes de “"que pretendo esclarecer"” (L.4-5) não alteraria as relações sintático- semânticas do período.

c)

O ponto final empregado imediatamente antes de "“Dizer"” (L.5) poderia ser corretamente substituído por dois-pontos, com a devida alteração no emprego de maiúsculas e minúsculas.

d)

A correção gramatical do texto seria prejudicada se o trecho ‘'nos causa'’ (L.8-9) fosse substituído por causa-nos.

e)

O pronome possessivo '‘suas'’ (L.10) refere-se às '‘formas de animais'’ (L.11).

4 -

Com relação aos sentidos do texto e às suas estruturas linguísticas, assinale a opção correta.

a)

O emprego do acento gráfico nos vocábulos “"análise"” (L.4), “"Aristóteles"” (L.8) e "‘cadáveres"’ (L.11) justifica-se pela mesma regra de acentuação.

b)

O trecho "“contribui para o prazer das pessoas com as representações imitativas"” (L.6-7) poderia ser corretamente substituído por: contribui ao prazer que as pessoas tem pelas representações imitativas.

c)

Verifica-se a ocorrência de dígrafos nos vocábulos "“pressupõe"” (L.12) e “"ortodoxo"” (L21).

d)

A forma verbal "“contrastam”" (L.3) está sendo empregada no texto como sinônimo de assemelham.

e)

No contexto, o verbo "“usar"” (L.4) poderia ser substituído pela locução verbal fazer uso, sem prejuízo da correção gramatical do texto.

No caminho de Swann

1     Já adulto pela covardia, eu fazia o que todos fazemos,
   quando somos grandes, e há diante de nós sofrimentos e
   injustiças: não queria vê-los; subia para soluçar lá no alto da
4  casa, numa peça ao lado da sala de estudos, sob os telhados,
   uma salinha que cheirava a íris, também aromada por uma
   groselheira silvestre que crescia do lado de fora entre as pedras
7  do muro e passava um ramo florido pela janela entreaberta.
      Destinada a uma utilidade mais especial e mais vulgar, essa
   peça serviu por muito tempo de refúgio para mim, sem dúvida
10 por ser a única que me permitia fechasse à chave, para todas as
   minhas ocupações que exigissem solidão inviolável: a leitura,
   o devaneio, as lágrimas e a volúpia.

Marcel Proust. No caminho de Swann. Internet: (com adaptações).

5 -

Com relação à estrutura morfossintática e à coerência interna do texto apresentado, assinale a opção correta.

a)

Na linha 10, o emprego de acento grave indicativo de crase em "à chave"” justifica-se pela regência da forma verbal "“fechasse"” e pela presença do artigo definido feminino.

b)

O trecho “"não queria vê-los"” (l.3) poderia ser corretamente reescrito da seguinte forma: não os queria ver.

c)

Na linha 3, a preposição “"para"” introduz uma expressão que indica direção, lugar onde o personagem "“subia"”.

d)

A oração “"Destinada a uma utilidade mais especial e mais vulgar”" (L.8) poderia ser deslocada para imediatamente após a forma verbal "“serviu"” (L.9), sem prejuízo para a correção gramatical do texto.

e)

O vocábulo "“peça"”, na linha 9, possui um referente diverso do referente do vocábulo "“peça"” na linha 4.

6 -

Assinale a opção correta a respeito do texto apresentado.

a)

A palavra "“covardia"” (L.1) poderia ser substituída por pusilanimidade, sem alterar o sentido original do texto.

b)

As palavras “"sofrimentos”" (L.2) e “"injustiças"” (L.3) designam acontecimentos antagônicos necessariamente decorrentes um do outro.

c)

Na linha 5, o termo "“íris"” alude contextualmente a uma cor.

d)

A substituição da forma verbal “"cheirava”" (L.5) por cheirasse prejudicaria a correção gramatical do texto.

e)

Na linha 2, o vocábulo "“grandes"” é empregado como sinônimo de altos

A literatura na ciência

1     Os livros de história natural descritiva e assuntos
   congêneres, cujos autores observaram a natureza com os seus
   próprios olhos, tendo por isso o relato das suas descobertas e
4  o interesse de narrativas pessoais, à parte o caráter exato dos
   fatos que referem, podem ser considerados verdadeiras poesias
   em prosa, por assim dizer, que vão beber a sua inspiração
7  diretamente à natureza e trasladam para o papel alguma coisa
   da sua frescura e novidade. Levam o leitor para além dos
   bosques e fazem-no cuidar que é ele que faz as descobertas. O
10 que eles viram tem o primor de observações individuais, a
   superioridade do específico sobre o genérico. Esses escritos,
   pois, têm certo valor permanente do ponto de vista literário:
13 como o apreço em que são tidos vem mais da forma do que do
   assunto, são verdadeiras obras de arte; por outro lado, ninguém
   lhes atribuiria mais do que um pequeno lugar entre as obras de
16 arte, isso porque, por perfeitas que sejam no seu gênero, não
   têm senão a diminuta importância do gênero a que pertencem.
   São livros para as horas de ócio, e longe ficam dos pináculos
19 ou das profundezas da emoção.

Henry Smith Williams. A literatura na ciência. Internet: (com adaptações).

7 -

Assinale a opção correta a respeito da estrutura linguística e dos sentidos do texto apresentado

a)

A expressão “"Esses escritos"” (L.11) exerce a função de sujeito da oração cujo núcleo é “"são tidos”" (L.13).

b)

O pronome "“eles"” (L.10) retoma "“leitor”" (L.8).

c)

Na linha 7, o emprego de sinal indicativo de crase em "“à natureza"” deve-se à presença, no período, de “"diretamente"”.

d)

Seria mantida a correção gramatical do texto se o pronome a fosse introduzido imediatamente antes de "“trasladam"” (L.7), caso em que esse pronome retomaria “"sua inspiração”" (L.6).

e)

A expressão “"alguma coisa da sua frescura e novidade"” (L.7-8) complementa o sentido da forma verbal "“trasladam"” (L.7).

Copa do mundo

XXXX n.º 10/2012
                                                                                                                 Brasília, 10 de junho de 2012.
A Sua Excelência o Senhor
Ministro de Estado dos Esportes


Assunto: Acompanhamento das obras para a Copa do Mundo de 2014

Excelentíssimo Senhor Ministro,


Convido-o a visitar, nesta sexta-feira (15/06), às 14h, as obras do estádio que sediará,
em Brasília, a Copa do Mundo de 2014. O acompanhamento das obras do referido estádio faz parte de
uma série de visitas aos estádios que sediarão a Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014.

Respeitosamente,
                                  (espaço para assinatura)
                                    (nome do signatário)
                               Ministro de Estado das Cidades
8 -

Com base no exemplo de documento oficial apresentado, assinale a opção correta acerca da redação de correspondências oficiais.

a)

A referência à data atende às normas estabelecidas para a redação de correspondências oficiais.

b)

O vocativo está corretamente empregado, dado que a correspondência é endereçada a autoridade do Poder Executivo.

c)

O documento apresenta as características de um ofício, expediente a ser utilizado para a comunicação entre autoridades de mesma hierarquia.

d)

O fecho empregado no documento está adequado, considerando-se os cargos ocupados pelo seu emissor e pelo seu destinatário.

e)

O emprego da primeira pessoa em "“Convido-o”" não atende a exigência de impessoalidade que deve caracterizar os expedientes oficiais.

9 -

Entre as ações necessárias para a adequação ou manutenção do documento apresentado às normas gerais e específicas das correspondências oficiais se inclui

a)

o detalhamento do teor do documento, que foi expresso de forma muito resumida no item “"Assunto”", em desacordo, portanto, com os princípios que orientam a redação de correspondências oficiais.

b)

o deslocamento do fecho, de modo a alinhá-lo com o início do parágrafo do corpo do texto.

c)

a substituição de "“A Sua Excelência o Senhor"” por A Vossa Excelência o Senhor.

d)

a substituição de FIFA, no corpo do texto, por fifa.

e)

a inserção, ao final do texto, do local e da data em que o documento foi assinado, com a seguinte forma: Em 10 de junho de 2012.

10 -

Acerca da redação de correspondências oficiais, assinale a opção correta.

a)

Deve constar do ofício o endereço da pessoa a quem é dirigido, que deve ser identificada por nome e cargo.

b)

Tanto no memorando quanto no aviso, é dispensável a inclusão do local em que o documento foi assinado, haja vista que tal informação, referente ao local, já consta no envelope de endereçamento do expediente.

c)

A estrutura de um memorando cuja finalidade seja o encaminhamento de documentos compõe-se de introdução, desenvolvimento e conclusão.

d)

Devem-se empregar na introdução das comunicações oficiais formas como Tenho a honra de... e Tenho o prazer de..., em razão da cordialidade e cortesia que devem pautar o tratamento pessoal na administração pública.

e)

Nas correspondências expedidas pelo Presidente da República, é dispensável a assinatura do signatário logo após sua identificação, que deve ser feita apenas pelo nome do cargo: Presidente da República Federativa do Brasil

« anterior 1 2 3 4 5 6 próxima »

Marcadores

Marcador Verde Favorita
Marcador Azul Dúvida
Marcador Amarelo Acompanhar
Marcador Vermelho Polêmica
Marcador Laranja  Adicionar

Meus Marcadores

Fechar
⇑ TOPO
Salvar Texto Selecionado

CONECTE-SE

Facebook
Twitter
E-mail

Copyright © Tecnolegis - 2010 - 2019 - Todos os direitos reservados.